Ensino Superior

Proibição de debate na Faculdade de Direito gera indignação no meio estudantil

Debate entre Rui Tavares e Pedro Mexia cancelado pelo diretor da FDUC por ser um “acontecimento de caráter ideológico político”. Por Carina Justiniano, Cláudia Pereira e Joana Veríssimo                                                                     

O diretor da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (FDUC), António Santos Justo, impediu a realização, nas instalações da faculdade, do debate “A Esquerda, a Direita e o agora: haverá espaço para as ideologias no mundo atual?”. A decisão da direção da faculdade causou alguma contestação por parte dos estudantes de Direito. No entanto, o evento que conta com a presença de Pedro Mexia e Rui Tavares, a decorrer na próxima quarta-feira 5 de Novembro, foi relocalizado para a Sala 17 de Abril do Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia.  

O Presidente do Núcleo de Estudantes de Direito (NED), Alexandre Amado, mostrou-se indignado com os motivos que a direção da FDUC lhe deu para a não realização do debate, ao assumirem que “a Faculdade tinha a tradição de não autorizar a realização de eventos que pudessem assumir conteúdos político-ideológicos”. Mediante explicação do conteúdo do debate, por parte do NED à direção da Faculdade, de forma a evitar equívocos, a resposta continuou a ser negativa.

“Se debates deste género, ainda para mais sobre ideologia, não são realizados dentro das universidades, então não sei onde poderão ser”, deixou claro o presidente do NED mostrando a sua discordância para com a decisão tomada pela direção da FDUC. Alexandre Amado revelou descontentamento pelo facto de, “em pleno século XXI, sermos confrontados com uma decisão deste cariz”, em instituições “teoricamente livres, abertas, democráticas e plurais.”

A justificação de que não são permitidos debates político-ideológicos na faculdade não é válida para o presidente do NED, pois, nos últimos dois anos, já se realizaram nesse espaço atividades dentro do mesmo género: o debate “Portugal: o estado do Estado” (2012), que contou com a presença de deputados de vários partidos políticos; uma sessão sobre o impacto do Orçamento de Estado (2013), com a participação de um deputado do PSD; e, ainda em 2013, um debate sobre a “Coadoção por casais do mesmo sexo”, com a colaboração de um deputado do PS.

Em contrapartida, o diretor da FDUC, António Santos Justo, afirmou que “na história da Faculdade de Direito, não há cedências de instalações para a realização de acontecimentos de caráter ideológico político”, acrescentando que “os debates ocorridos em 2012 e 2013 foram permitidos por terem, também, uma forte vertente jurídica.”

Ainda de acordo com António Santos Justo, não está em causa a liberdade e a variedade de culturas e ideologias.

Arquivo

Foto: Arquivo

Discussão

Trackbacks/Pingbacks

  1. Pingback: Requiem por um espaço de pensamento livre – Aventar - 05/12/2016

%d bloggers like this: