Cultura

JUDH: um fim-de-semana de educação para os direitos humanos

Terrorismo, eutanásia e refugiados vão ser assunto de conferências e ‘workshops’. SDDH/AAC quer receber estudantes de todo o país. Por Vasco Sampaio

As inscrições estavam abertas até ontem, 24, mas a forte adesão dos participantes levou a que se estendessem até domingo, 27. Agora, são apenas 15 as vagas disponíveis e a organização conta já com 85 inscritos. “As expetativas são altas”, confessa Sofia Caseiro, membro da Secção de Defesa dos Direitos Humanos da Associação Académica de Coimbra (SDDH/AAC), que se mostra “confiante de que este vai ser um grande evento”. São as Jornadas Universitárias dos Direitos Humanos (JUDH), a acontecer em Coimbra no fim-de-semana de 2 e 3 de abril.

A iniciativa inclui uma série de conferências realizadas no Auditório da Reitoria da Universidade de Coimbra (UC), e de “‘workshops’ de cariz mais prático que pretendem inspirar os participantes”, a acontecer no Instituto Universitário Justiça e Paz. Neles vão ser focados assuntos como o terrorismo, com os oradores Daniel Pinéu, docente da Faculdade de Economia da UC, e Catarina Sarmento e Castro, juíza conselheira do Tribunal Constitucional.

Também  a crise dos refugiados vai ser tema de conferência, com presença de representantes do Conselho Português dos Refugiados e do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. Para os ‘workshops’, a eutanásia, os direitos humanos nos ‘media’ e a participação política vão ser outros pontos abordados ao longo da iniciativa. Ao contrário do que aconteceu na edição anterior das JUDH, estas “sessões mais informais vão estender-se pelas tardes dos dias 2 e 3, para incentivar a participação, a discussão e a troca de ideias”, adianta Sofia Caseiro.

O objetivo, explica, é “formar e educar para os direitos humanos, tendo como público alvo os estudantes universitários”. Já familiarizada com os estudantes de Coimbra, a SDDH pretende, com as JUDH, “abranger todo o país”, objetivo conseguido este ano com a inscrição de “estudantes de Lisboa, Porto e Minho”. O alojamento para quem vem de outras cidades foi conseguido a partir de uma parceria com o Hospital Militar de Coimbra.

Porque o “ambiente de partilha de opiniões” não acontece só em conferências, também inserido nas festividades está um jantar “a contribuir a favor do Fundo Solidário”. A acontecer no Centro Cultural Dom Dinis, o jantar está “aberto a toda a comunidade”, explica a representante da SDDH, ao contrário do que acontece com as restantes iniciativas da JUDH. Para a refeição, as inscrições prolongam-se até segunda-feira, 28 de março.

Discussão

Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: