Ensino Superior

Bloco de Esquerda liga democracia a Ensino Superior

Convite do partido político desconstrói a atualidade estudantil portuguesa e espera apresentar soluções através da palestra. Por Philippe Alexandre Baptista e André Sobral

Numa altura em que o Ensino Superior (ES) é afetado pelos problemas sociais e económicos do país, surge uma sessão pública no âmbito da agenda política do Bloco de Esquerda (BE) com o mote “ensino superior: onde para a democracia?”. O debate, que vai ter lugar dia 2 de maio no anfiteatro IV da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (UC), conta com a presença de José Manuel Pureza e Luís Monteiro, ambos deputados do BE.

“A ideia é desconstruir os últimos 15 anos do ensino superior” explica Luís Monteiro. O deputado enumera os alvos desta discussão que vão “desde o processo de Bolonha ao novo Regime Jurídico das Instituições do ES até ao seu próprio modelo de gestão”. Além destes, com o “aumento das propinas e os cortes na ação social”, Luís Monteiro aponta para uma “ligação quase direta entre a falta de democracia e o estrangulamento do ES”.

Ao explicitar os assuntos tratados, o deputado do BE exprime a necessidade de se discutir “o impacto que Bolonha teve na qualidade dos cursos e na disponibilidade dos estudantes para fazer mais do que estudar”. Salienta também que “não se pode continuar a assistir à revisão do valor das propinas, onde mais empresários decidem, em vez dos estudantes”. Por ultimo, propõe um “novo plano de financiamento, com outras verbas e planos plurianuais”, onde destaca a relevância de o fazer “de uma forma mais próxima dos estudantes e do ministério”.

Segundo Luís Monteiro, “a importância do encontro consiste em dois motivos”. Em primeiro lugar, “marcar a agenda do BE na universidade para falar dos problemas da própria universidade” e, em segundo lugar, por se caracterizar por “uma altura de viragem para um governo diferente”, onde o BE tenta intervir para tentar resolver os problemas junto dos estudantes.

O público-alvo do evento estende-se a “todos os estudantes da UC e aos ativistas do BE”. Luís Monteiro considera que “não vai ser apenas uma palestra, mas sim um debate aberto em que todas as questões vão tentar ser respondidas”. Destaca ainda a importância de fortalecer o movimento estudantil que qualifica como “burocratizado” e pretende que os estudantes aproveitem esta palestra, pois “precisam de informação” para que possam reivindicar os seus direitos.

(Ensino Superior) Assembléia Magna

Fotografia: Arquivo

Discussão

Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: